• 18 de December de 2018
  • LANGUAGE:
    • English
    • Español
    • France
    • Chinese
ONDE IR? COMO IR? O QUE FAZER? COMECE A VIAJAR AQUI...

O QUE É NOTÍCIA

Chamonix e o mar de gelo: experiência real no berço dos esportes de inverno

Chamonix e o mar de gelo: experiência real no berço dos esportes de inverno

Por: Paulo Panayotis | São Paulo - Brasil Categoria: Colunista


Chamonix,Monta-Blanc. França. Bem no centro da cidade de Chamonix , o guia de montanha Jacques Balmar aponta o cume do Mont Blanc para o cientista Suíço Horace-Benedict. Imortalizada em uma estatua que simboliza o início dos esportes de inverno em todo o mundo, a inusitada dupla acabou revelando, sem querer, a vocação da região. O cientista queria descobrir o ponto de ebulição da água em grandes altitudes. E lá se foram os dois, em 1786, Mont-Blanc acima.

Guia e cientista imortalizados no centro de Chamonix

Foi a primeira vez. Mais de um século depois, Chamonix sediou os primeiros jogos de inverno do mundo em 1924. Não parou mais. De uma minúscula vila nos Alpes a um dos mais importantes centros de esqui do mundo foi uma questão de tempo. Mas eu nem esquio, dirá você. Não importa. Chamonix é um destino obrigatório, seja você um amante dos esportes na neve, seja um gourmet inveterado. Começa que a cidade é encantadora com neve, sol ou chuva. Aliás, ninguém liga para isso. Aliás, o povo que se atira montanha acima tem um mantra: quanto mais neve melhor!

Tranquilidade e uma excelente infraestrutura

Relax. Há uma infraestrutura gigante por trás da aparência de tranquilidade. Tudo funciona. Se você adora esportes na neve, vai se sentir como em um parque de diversões para adultos. Você é iniciante? Seu filho nunca esquiou? Sem problemas. Há dezenas de escolas para iniciantes. E todas com qualidade. Você nunca viu neve? Será paixão imediata. Você esquia? Há varias pistas, com todos os tipos de níveis de dificuldade, para iniciantes, intermediários e loucos, digo, especialistas.

Cartaz vintage anuncia competição

Não esquia? Sem problemas. No entanto, você tem que pegar o teleférico e subir, subir, subir em direção ao Monte Branco. O teleférico chama-se Aiguille du Midi e leva à montanha do mesmo nome. A 3.842 metros de altura – a mais alta de toda a região – você vai entender porque tanto faz esquiar ou não. Relaxe, se puder, e olhe para os Alpes Suíços, Franceses e Italianos aos seus pés! Respire fundo, até porque você está a quase quatro mil metros de altitude e seu corpo pode chiar. Finalmente, pense como é bom estar vivo e em um lugar como este!

Um dos mais antigos e completos circuitos do mundo

Se é barato? Claro que não. O ingresso de ida e volta custa em torno de EU$ 60,00 euros, ou algo em torno dos R$ 300,00. Mas quantas vezes você terá a oportunidade de estar no topo da Europa? Depois, desça lentamente e perca-se pela encantadora cidade de Chamonix. O que me chamou muito a atenção é que o lugar ainda conserva aquele ar de aventura sem ser esnobe. Claro que tem lojas de grife, mas ainda são poucas. O mais legal é que quem vai para Chamonix vai para estar em contato com a natureza, respirar ar puro e se divertir com os amigos. Portanto seu orçamento não precisa ser de milionário não. Há dezenas de excelentes bistrôs e restaurantes que fazem a festa de turistas que vem de toda a Europa buscando exatamente isso: uma experiência real na montanha durante o inverno.

Excelência nos produtos e na apresentação

Falando nisso, os franceses não admitem muito a história por questões obvias. Mas conta a lenda que foram dois aventureiros ingleses os primeiros turistas estrangeiros a chegarem a Chamonix em1741. Chegaram no auge do inverno. Assombrados, olharam para os Alpes e carimbaram: It is an Ice Sea!” Traduzindo: é um mar de gelo! O nome, em francês, ficou e batiza, até hoje, o Glaciar que forma o maciço do Mont Blac: Mer de Glace! Dica: Do Brasil, o aeroporto mais próximo é o de Genebra, na Suíça. De lá, alugue um carro e, em menos de uma hora, ou 88 quilômetros, estará em Chamonix. Outra alternativa é ir de trem a partir de Paris, na França, em uma viagem que dura cerca de 7 horas. Bom, enquanto planeja vai sonhando... ou seria enquanto sonha, vai planejando?

FOTOS: Paulo Panayotis/Adriana Reis  (crédito obrigatório)

O jornalista Paulo Panayotis viajou para Chamonix a convite da CC Hotels e do escritório de turismo de Chamonix com seguro de viagem da Travel Ace