• 16 de August de 2018
  • LANGUAGE:
    • English
    • Español
    • France
    • Chinese
ONDE IR? COMO IR? O QUE FAZER? COMECE A VIAJAR AQUI...

O QUE É NOTÍCIA

O que há em comum entre os Beatles, o Ganges e o rafting? Rishikesh, claro!(VIDEO)

O que há em comum entre os Beatles, o Ganges e o rafting? Rishikesh, claro!(VIDEO)

Por: Paulo Panayotis | São Paulo - Brasil Categoria: Geral

Rishikesh, Uttarakhand – Índia. Da sacada do meu hotel, esfrego os olhos. Demoro a acreditar que aquele é o rio Ganges. Um rio de águas turbulentas e cor verde está a alguns passos de mim. Limpo. Limpíssimo. Quase imaculado. Enquanto penso nesta improbabilidade, meia dúzia de barcos desliza com relativa velocidade sob meus olhos ainda mais incrédulos.

Rio Ganges em Rishikesh: incrivelmente limpo

Antes de me beliscar, sou arrancado de meu “sonho” pelas vozes animadas dos remadores. Vestindo capacetes e roupas coloridas, se esforçam para manter os botes infláveis no rumo certo e fugir de algumas pedras no meio do caminho, digo, no meio do rio. Um homem santo se ajoelha e toma um bom gole de água do Ganges. Uma mulher pobre se agacha em frente à correnteza. Com uma prece, oferece uma flor e uma vela acesa que são devoradas pelo rio.

Rafting e meditação = adrenalina e equilíbrio

Estou a apenas 230 quilômetros de Nova Delhi, capital política da Índia. No entanto, me sinto a anos luz de distância. Rishikesh é o centro da meditação dos hindus. Foi aqui que aqueles caras chamados Beatles se iluminaram há algumas décadas e mudaram para sempre a imagem que o mundo tinha da Índia. Pelas ruas desta pequena cidade, turistas se misturam a homens santos, macacos e rickshaws! Uma balburdia organizadamente desorganizada. Desde sempre peregrinos do mundo todo vem para cá. Uns buscam conhecimento, entendimento, paz. Outros, aventura, esportes radicais. Mas todos, sem exceção, encontram liberdade. Em Rishikesh ela é quase palpável.

Turistas agradavelmente surpresos: rio Ganges limpo!

“Me surpreendi! “Achei que viria para uma viagem espiritual e estou me surpreendendo a cada dia”, afirma Bruno Caprio, paulista que trabalha em uma editora no interior de São Paulo. “É a primeira vez que faço rafting e estou adorando” explica Marisa dos Anjos, professora, paulistana e praticante de yoga de carteirinha. Ambos acabam de desembarcar em frente ao meu hotel. Ambos vieram em busca de meditação. Ambos encontraram adrenalina em um lugar onde todos procuram serenidade. “Pouca gente sabe que, além de yoga, Rishikesh tem uma grande estrutura a oferecer, diz Cristiane-Eshana Cury, representante da Indo Asia Tours Brasil. Há alguns anos, o sangue do Oriente Médio se rendeu aos deuses hindus e ela abandonou sua carreira de executiva em São Paulo. Hoje, guia turistas em busca de novas experiências, de novos rumos, de novas descobertas.

Aarti, a cerimonia eterna no rio sagrado

Apesar do sucesso financeiro, estava infeliz com minha vida” resume ela feliz da vida. Trekking meditativo é outra atividade surpreendente em Rishikesh. Caminhadas em meio a uma selva bem conservada em direção a templos diante da cordilheira do Himalaya também agitam e surpreendem quem vem em busca de elevação apenas religiosa. Ao chegar no Templo Shri Kuja Puri, nos sopés do Himalaya, o cansaço de alguns quilômetros de caminhada desaparece em meio ao esplendor dos picos eternamente nevados. Em dias de sol é possível avistar grande parte da cordilheira mais alta do mundo e meditar, meditar, meditar. Ao anoitecer, diariamente há séculos, os candeeiros se acendem na beira do rio sagrado. É a cerimônia do Aarti, conduzida por homens santos e repartida por todos. Cânticos entoados coletivamente fazem esquecer os esportes radicais do dia e preparam a alma para a elevação espiritual que, acredite, sempre vem!

Cris Eshana-Cury: era infeliz e sabia! 

Há gurus e homens santos para todos os tipos, de todas as origens, como por exemplo o quase “star” Prem Baba, que arrasta seguidores há anos. Outros, desconhecidos, realizam seus rituais sagrados para peregrinos também desconhecidos à beira de um Ganges único. Não é à toa que foi aqui que aqueles cabeludos de Liverpool se iluminaram. Não é à toa que foi aqui que eles se inspiraram e criaram uma das mais entoadas músicas de todos os tempos: All we need is love! Tudo que precisamos é amor!


Fotos: Paulo Panayotis/Adriana Reis
Jornalistas Paulo Panayotis e Adriana Reis viajaram a convite do Governo da Índia com roteiro da  Indo Ásia Tours Brasil e seguro viagem Travel Ace.

GALERIA DE IMAGENS

CLIQUE PARA AMPLIAR AS IMAGENS