• 17 de November de 2017
  • LANGUAGE:
    • English
    • Español
    • France
    • Chinese
ONDE IR? COMO IR? O QUE FAZER? COMECE A VIAJAR AQUI...

O QUE É NOTÍCIA

St. Barth: gastronomia francesa na beira da praia

St. Barth: gastronomia francesa na beira da praia

Por: Paulo Panayotis | São Paulo - Brasil Categoria: Gastronomia

Uma loira estonteante entra arrancando sussurros de metade do restaurante. Atrás dela, um moreno, daqueles de capa da Vogue, assanha a outra metade.
Ela de sapatênis e  vestido colorido de verão. Ele de tênis sem marca, camiseta preta e calça jeans.

Gente cool por toda parte

O lugar é bem bonito. Aliás, o nome do lugar é Bonito. Estou em St. Barth, ilha ícone de elegância do Caribe e refúgio de gente rica e descolada de todo o mundo.

É um dos mais badalados, charmosos e bonitos botecos que já conheci. Na verdade não tem nada de boteco, mas eu gosto de chamar assim.

É um misto de lounge despretensioso com restaurante charmoso  porém decorado com primor e sabor. Frutos do mar são o carro chefe.

Tacos de guacamole com salmão com ervas frescas

Mas tem vários outros tipos de “belisquetes”. O clima aqui é o que predomina na ilha. Descolado chique, simples.St. Barth, neste sentido, é privilegiada. Longe do turismo de massa, dificultado pelo difícil acesso, é um lugar um tanto contraditório. Apesar da atitude “discreta” das pessoas, tem, provavelmente, a maior coleção de restaurantes estrelados do planeta concentrados em uma única ilha.

Restaurante Bartolomeo: sticks de salmão e Mojito de champagne!

São mais de 80. Só de estrelas Michelin abriga uma constelação. Os chefs Christian Le Squer (George V) e Arnaud Donckele (La Vague D’Or) três estrelas Michelin , aparecem vez por outra. Guy Martin (Le Grand Véfour) e Sylvestre Washid (L’Oustau de Baumiére), duas estrelas Michelin, também! Todos são vistos trabalhando ou mesmo “veraneando” em St. Barth. Aproveitam para esticar um olho na concorrência.Há tantos – e tão bons – restaurantes na ilha que é difícil dizer qual é o melhor.

Da brasa à mesa

Uma estupenda lagosta grelhada na casca chega à minha mesa!

Servidos?

Estou no restaurante “pé na areia” do hotel Relais&Châteaux Le Toiny.

Delicado atum em crosta de gergelim

Serviço, produtos, atendimento, tudo perfeito, tudo de alto nível, inclusive a conta.

"Savoir fair" francês: um cantinho à beira mar...

Sem falar na vista e naquele barulhinho de ondas quebrando a poucos metros da mesa...  Ah, “il dolce far niente”! O luxo sem ostentação! O sentimento de paz, serenidade!

Mar calmo e bom tempo desde sempre...

St. Barthélemy tem DNA  e savoir faire franceses. Descoberta em 1493 por Cristóvão Colombo, era uma ilha árida e deserta até meados da década de 60  quando a família Rockefeller a descobriu. Comprou vários terrenos, ergueu mansões e fez seu refúgio no Caribe, longe de olhos bisbilhoteiros e gulosos. Vieram outros ricaços, amigos dos Rockfeller e, poucos anos depois, St. Barth se transformou na Meca dos poderosos de plantão. Não é a toa que sempre fervilham restaurantes e hotéis cinco estrelas.

Madame Sibuet: trabalho duro!

Chapelão, sandálias e vestido colorido, madame J. Sibuet fala, encantada, sobre sua última propriedade. Entre um vinho rosé e um bom azeite – ambos fabricados pela família na França – me sinto felizardo e cobaia.

Cobaia feliz

Felizardo porque quem conhece as propriedades Sibuet sabe a qualidade de tudo que fazem. Cobaia porque é a primeira vez que o restaurante François Plantation abre as portas oficialmente. Há centenas de metros de altura, com St. Barth aos meus pés, me sinto poderoso. E feliz.

Do mar para a mesa

Ceviche de dourado com abacate e ervas frescas com maracujá abre os trabalhos. Fresco. Saboroso. Quase frugal.

Lagosta e basta!

Lagosta cozida e batatas vem na sequência. Absolutamente simples e no ponto. Uma pissaladière de massa folhada com aliche e rúcula fecha o primeiro almoço do Villa Marie, a mais recente propriedade do grupo Sibuet.

Pissaladière: espécie de pizza tradicional francesa revisitada


“Trabalhamos duro, em família, para garantir a excelência em tudo que fazemos” decreta Mme J. Sibuet. É, penso eu, St. Barth é chique e simples ao mesmo tempo.

O bar "pé na areia" do hotel Eden Rock

No Sand Bar, outro pé na areia do hotel Eden Rock, a sensação é a mesma. “Sofisticação é bom, mas comida boa é melhor ainda” garante Charlotte Darnaud gerente de vendas do lugar.

Minha inesquecível pizza de trufas negras, vá bene?

Foi aqui eu comi algo que adoro duplamente: pizza e trufas negras. Exato: pizza de trufas negras!

Vida difícil como o quê...

À beira mar, marolas e lua cheia a minha frente, descobri o jeitinho francês de fazer tudo sem stress....

Restaurante Batolomeo, do Hotel Le Guanahani

Seja no classudo e refinado restaurante Bartholomeo no hotel Le Guanahani ou no Le Cabane de Isle, do icônico Cheval Blanc, a sensação é a mesma: comida fresca e informalidade acima de tudo! 

Uma das muitas vistas de St. Barth

Para mim, St. Barth tem uma pura e simples definição do ponto de vista gastronômico: É Paris na praia  com a vantagem de comer com os pés na areia e os olhos no mar turquesa do caribe... Ruim hein?

Jornalista Paulo Panayotis: difícil mesmo é ir embora!

Serviço:

O jornalista viajou a convite do escritório de Turismo de St. Barth, representado no Brasil pela CCHotels, e se hospedou no hotel Le Guanahani representado no Brasil pela X-Mart.

GALERIA DE IMAGENS

CLIQUE PARA AMPLIAR AS IMAGENS